22 de dezembro 2017

Urbanas

Urbanas2
22 dezembro 2017

Urbanas

Projeto de street style traz imagens que vão (bem) além da moda
Texto por: Julliane Silveira

A ideia inicial era a de publicar um livro de street style de São Paulo, como há muitos de Londres, de Paris e de Nova York. Ao longo do projeto, no entanto, os envolvidos perceberam que era preciso mostrar questões vinculadas à trajetória das mulheres na luta por independência e realização. “Vimos que a mulher não pode ser vista apenas como uma imagem com roupa”, diz Ricardo Feldman, curador do projeto.

Então, informações sobre trabalho, maternidade, gênero e sexualidade passaram a integrar o projeto Urbanas, que envolve um webdocumentário e um livro de 260 páginas com 180 fotos de mulheres de São Paulo, tiradas entre 2008 e 2016.

As imagens foram registradas por sete fotógrafos, em todos os pontos da cidade. O foco são mulheres anônimas, mas há também fotos de personalidades da moda, como Lilian Pacce, Costanza Pascolato e Érika Palomino. “Mas elas são anônimas de uma certa forma, porque foram escolhidas pelo estilo, e não pelo nome”, justifica Ricardo.

As escolhas se pautaram na intuição dos profissionais, que rodaram estações de metrô, centros culturais e comerciais, festas e locais religiosos. O resultado é uma mistura de estilos, que mostra que São Paulo abriga diferentes facetas das mulheres do País.

As imagens mostram diversidade. “Moda deve inspirar liberdade, não castração. Somos submetidos a tantas regras e limitações no nosso cotidiano, que não faz mais sentido respeitarmos uma ditadura invisível”, diz o texto de apresentação do livro.

Nessa linha, em busca por aproximação e intimidade, foi criado o documentário Urbanas, como complemento ao projeto. No filme, nove mulheres que estão no livro conversam em um sofá colocado na rua. Falam sobre ditadura da beleza, novas famílias, liberdade de ir e vir e questões de gênero. “O documentário é uma aproximação do que tem que ser essa mulher contemporânea”, afirma Ricardo.