15 de agosto 2017

Quanto mais cabelo branco, melhor

cabelo branco
15 agosto 2017

Quanto mais cabelo branco, melhor

A onda de assumir os fios grisalhos está libertando as mulheres
Texto por: Livia Deodato

O aparecimento de cabelos brancos com o passar do tempo é um processo natural. Assim como a pele, os fios também sofrem mudanças. Os responsáveis pela transformação são os melanócitos, células produtoras de pigmentos localizadas ao redor do folículo piloso. Por volta dos 30 anos, mais ou menos, elas começam a parar de trabalhar e os primeiros brancos vão aparecendo.
Características genéticas podem acelerar ou atrasar esse processo. Estresse e poluição podem adiantar o aparecimento dos fios brancos.
Mas não importa muito em que idade eles apareçam. Olhar-se no espelho e encontrar raízes brancas despontando pode ser uma tortura para muitas mulheres. Enquanto o homem grisalho é visto como elegante e charmoso, o sexo feminino não recebe o mesmo acolhimento. É como se existisse uma regra e os cabelos brancos precisassem necessariamente ser tingidos.
Segundo a visagista Alessandra Araújo, apesar de se irritarem com esse condicionamento imposto pela sociedade, suas clientes na faixa etária entre os 30 e os 50 anos ainda recorrem a esse recurso. “Elas reclamam que, se deixarem de colorir, serão julgadas como desleixadas pelas exigências e padrões do mercado de trabalho”, explica.
Na contramão desse costume, algumas mulheres, inclusive jovens, estão assumindo cada vez mais o tom natural e mostrando que o cabelo branco não precisa estar coberto para continuar bonito e na moda. Sem medo de serem chamadas de vovós ou perderem a feminilidade, elas têm tentado se livrar da obrigação que lhes é incumbida, de precisar parecer sempre jovens. De quebra, adquirem outros benefícios que vão além da aparência.

Inspiração

Há vários exemplos de mulheres que decidiram compartilhar a própria mudança e descobriram uma sensação libertadora com o fim da ditadura da tinta. Elisa Colepicolo, 34, criou o blog Projeto Gris para contar suas impressões. Isso porque, quando decidiu exibir os brancos, não conseguia encontrar na internet nada em português sobre o tema. Para desmitificar o assunto, a youtuber Kika Ribeiro, de 43 anos, também elaborou uma espécie de diário em vídeo, onde dá dicas e conta a sua trajetória
Após experimentar usar os cabelos dessa maneira e gostar do resultado, a produtora Elca Rubstein, de 70 anos, começou a produzir o documentário, ainda em captação, “Branco e Prata”, que aborda como a questão é um estigma em pleno século 21.

As vantagens de ter cabelo branco

A mais óbvia é a baixa manutenção. Cabelos coloridos periodicamente requerem tempo e paciência, no cabeleireiro ou em casa. Além disso, os investimentos em bons profissionais e tintas de qualidade têm seu custo.
Mais do que economizar tempo e dinheiro, apropriar-se dos fios brancos é uma maneira de se destacar na multidão e aprender a valorizar outras características. Entre ruivas, loiras e morenas, o branco exibe uma beleza diferente e cheia de atitude.
Mas os proveitos desse novo estilo não se resumem a isso. Aquelas que optam por abandonar os pigmentos também demonstram uma afronta aos padrões. Como ainda não é tão comum ver mulheres assumindo o branco, as que arriscam acabam refletindo coragem e autoconfiança. “Quem opta por isso apresenta uma personalidade forte, mais rebelde e autêntica”, afirma Alessandra.
Adotar esse novo visual exige paciência. É preciso se adaptar e resistir para não cobrir as raízes ao notar os brancos aparentes. Uma opção para uma passagem mais suave é clarear os fios aos poucos com a própria tinta que já é utilizada e seguindo a tonalidade natural do cabelo. Por exemplo, mulheres que gostam de tons claros podem aderir a um loiro platinado e gradualmente assumir a base branca. Já quem prefere as nuances mais escuras pode manter luzes finas da cor original, deixando o grisalho irromper sem causar alarde.
Um bom corte faz toda a diferença para alinhar a modernidade ao perfil da cliente. Alessandra aconselha manter os cabelos curtos ou médios, com um ar mais arrojado, com pontas desconectadas e assimétricas na nuca. Também recomenda a utilização de acessórios diferentes e coloridos para valorizar os contrastes. Mas o essencial para ela, de acordo com a cartilha do visagismo, é entender o que a pessoa quer expressar para escolher a moldura do rosto.
Mesmo se livrando da tintura, cuidados especiais devem ser mantidos para garantir um novo estilo impecável. Isso porque a cor mais clara, assim como no caso do loiro, pode adquirir uma característica amarelada. “Shampoos e condicionadores com pigmentos azul ou cinza são os mais indicados para combater esse efeito”, afirma a cabeleireira. Como as madeixas naturalmente brancas costumam ser mais porosas, para fugir do ressecamento é importante o uso de máscaras hidratantes, pelo menos uma vez por mês.