20 de setembro 2017

Paz no dia a dia

Paz no dia a dia (1)
20 setembro 2017

Paz no dia a dia

Jornalista promove respeito e diálogo por meio de seu trabalho no Itamaraty
Texto por: Livia Deodato

A paz é possível. E ela deve ser alcançada em sua plenitude quando entendermos que esse processo começa no dia a dia, a partir de nossas relações com a família, com os vizinhos, com os amigos e os desconhecidos.

Essa é a base do trabalho da jornalista Janaína Plessmann, cujo trabalho ao longo desses anos tem um objetivo comum: o de promover a harmonia e devolver o respeito e a dignidade que devem ser parte integrante e essencial da vida de todos os seres humanos. “A ideia é atuar na causa, e não no efeito. Isso significa fazer todo um esforço na criação de pequenos núcleos de paz a longo prazo, em diversas partes do mundo”, conta.

Janaína fez mestrado em Relações Internacionais com especialização em Estudos da Paz e Segurança. Ela já atuou em diversos projetos vinculados a ONGs e instituições internacionais, como Oikos e Anistia Internacional, a maioria deles ligados aos direitos humanos. Viajou para uma série de países da África à Europa para entender as necessidades e promover diálogos baseados no exercício da empatia.

“Nunca divulguei fotos da pobreza extrema e das más condições de vida dos povoados que visitei. O meu trabalho consiste em mostrar e promover a dignidade, a qual todos temos direito. Por isso, compartilhava fotos e vídeos de crianças e adultos dançando, abraçando, beijando”, diz a jornalista. “O meu desejo é sempre poder ser vista como uma igual por essas pessoas. Quando entramos em contato com elas não estamos trazendo nada de novo: estamos aprendendo todos juntos.”

Janaína morou seis anos em Portugal e lá coordenou diversas campanhas de conscientização e sensibilização com o objetivo de envolver um número cada vez maior de pessoas nas resoluções dos problemas. “Acredito que todos nós podemos promover uma mudança sólida a longo prazo, efetiva, a começar agindo de forma diferente no nosso entorno.” Ações sustentáveis, como trocar o carro pelo transporte coletivo, pela bicicleta ou pela caminhada, ou ainda adotar a reciclagem do lixo como parte de sua rotina, fazem parte desse plano de trabalho.

Paz do dia a dia

Atualmente, Janaína trabalha na Agência Brasileira de Cooperação (ABC), considerada um braço do Itamaraty, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil. A agência tem o papel de implementar e acompanhar os projetos e programas brasileiros firmados entre o Brasil e outros países e órgãos internacionais. Janaína desenvolve ferramentas e estratégias de comunicação com o intuito de divulgar e promover discussões das ações de cooperação em diversas plataformas. “Existe um conceito mais global, mais conceitual de que a paz é a ausência de guerra. É isso, mas não só. Procuro disseminar a ideia de que a paz tem relação imediata em ações do cotidiano, como por exemplo ter disposição para o diálogo”, diz.

Ter disposição para o diálogo significa levar em consideração a escuta, a total compreensão do que está sendo dito pela outra pessoa e a tolerância, principalmente se houver divergência entre as ideias discutidas. Esse já seria o começo de um mundo mais pacífico, na opinião de Janaína.

Budista desde os 16 anos, a jornalista acredita que o seu trabalho com a comunicação visa construir esperança. “O respeito pela dignidade humana perde o sentido sem a esperança. Não precisamos de mais dó ou compaixão solidária, porque isso não é capaz de promover mudança de atitude. A ideia principal do meu trabalho é gerar emoção e promover a reflexão sobre a atitude de cada um frente à vida.”