02 de janeiro 2018

O que é ‘ser homem’?

homem
02 janeiro 2018

O que é ‘ser homem’?

As diferenças entre o mito do "cara tranquilo" e a possibilidade de se tornar um "cara cordial", segundo a School Of Life, do filósofo Alain de Botton.
Texto por: Rafael Nardini

Não é nada mais do que a realidade dizer que as escolas e universidades passam por uma imensa crise de identidade, tornando-se, em alguns cursos, completamente obsoletas. Ou pior: a educação acaba sendo revertida a uma imensa lista de afazeres e desprazeres que tem deixando os estudantes cada vez mais doentes. A School Of Life é uma tentativa de ir na mão inversa de tudo que está aí. A premissa é desenvolver inteligência emocional, não despejar um punhado de conteúdo e esperar que os alunos ganhem muito dinheiro e tenham uma "carreira brilhante".

Fundada em pelo filósofo e escritor suíço Alain de Botton em 2008, em Londres, a “escola” faz questão de contar com diferentes especialistas e renomados professores na arte de dar insumos para o avanço humano acima de qualquer título de bacharelado ou pós-graduação. No Brasil, por exemplo, onde a School Of Life já abriu uma unidade, quem é o responsável pela programação é o escritor David Baker, ex-editor da famosa revista Wired, publicação conhecida por cobrir como ninguém a inovação e a ciência.

Mas que diabos ensina-se nessa "school"? Bem, por exemplo, como ser homem no século 21. Em um vídeo postado na página oficial no YouTube, a School Of Life apresenta caminhos para a masculinidade. Claro, longe daquela hipermasculinidade secular e que tanto causa mal para homens e mulheres. “Todos são mais vulneráveis do que parecem, e acho que os homens são mais vulneráveis. Uma vez que você se aproxima de um homem, tudo é uma fachada de qualquer maneira. Acho que a masculinidade é frágil”, disse Botton, certa vez.

"Tranquilos" ou "cordiais"?

O vídeo produzido pela School Of Life mostra dois perfis diferentes, mas não isolados ou extremamente opostos. O primeiro é o tradicional perfil da masculinidade tradicional, daquele homem que nada teme, que não se rende, que nunca se abala nem sofre por um segundo sequer. Ou seja: um homem que se existe ainda não foi visto na Terra, por mais que as aparências estejam por aí. Ainda assim, como a aponta a School Of Life, é esse perfil de “cool man” (“cara tranquilo” ou "cara frio", em tradução livre) que nós, homens, buscamos há séculos.

Este homem “cool”, que estaria habitando o imaginário masculino nos últimos 80 anos, seria inspirado em Humprey Bogart, Jean-Paul Belmondo, Marcello Mastronianni, James Bond, Bob Dylan, mas também em Ryan Goslian e Benedict Cumberbatch. “Eles são fisicamente confiantes, podem escalar uma montanha ou caminhar lentamente por uma rua deserta no meio da noite, se precisarem matar alguém o farão sem problema”, explica.  
Como se vê, a essência do “cara tranquilo”, para a School of Life é uma “aura de invulnerabilidade”. “Se a casa estiver pegando fogo, o cara tranquilo não liga para os bombeiros, mas diz, calmamente, para sua namorada: ‘Está ficando quente aqui, amor’”. Segundo a School Of Life é esse imaginário tóxico que foi colocado na cabeça de gerações de homens. “Hoje, esse modelo de homem nos tortura com seus ideais e nossa realidade”, pontua.

Em um segundo momento do vídeo é apresentado um outro arquétipo masculino: o “cara cordial” ("cara receptivo"). “Esse homem é consciente de sua própria ansiedade. Ele sabe que essa ansiedade existe, é honesto sobre ela, brinca sobre o assunto e não deixa que ela o controle. O cara cordial sabe o quão frágil nós todos somos, então ele se assegura em ser aberto a perdoar e ser gentil”, explica.

O ponto aqui é de um homem que sabe que erra, que “comete atos estúpidos” e que “perdeu pessoas que amava por ter feito decisões equivocadas”. “Quando o cara cordial comete um erro no trabalho, ele prontamente admite, está aberto a pedir desculpas e explica abertamente o que fez de errado e como pode fazer para não errar novamente em uma próxima oportunidade”. A essência desse segundo modelo masculino é a vulnerabilidade controlada. “Ele é consciente de suas falhas e erros, mas usa do conhecimento. Tem um humor interessante e uma fonte de simpatia”.

E, aí? Qual são os homens que cercam você: "tranquilos" ou "cordiais"?