21 de agosto 2017

Movimento Praça Lilás

praca lilas
21 agosto 2017

Movimento Praça Lilás

Grupos de mulheres de Blumenau (SC) organizaram a iniciativa para transformar e fortalecer os vínculos das comunidades
Texto por: Livia Deodato

O movimento Praça Lilás surgiu em Blumenau (SC) com o objetivo de resgatar o caráter público, coletivo, político, pedagógico e de lazer dos espaços públicos da cidade. Vários grupos de mulheres se uniram com o propósito de transformar esses espaços, a partir da participação das pessoas, a fim de resgatar o caráter de encontro, trocas e fortalecimento das comunidades por meio dessas áreas. Nesses encontros, tanto homens quanto mulheres são bem-vindos a colaborar e recriar juntos espaços de maior acolhimento.

Desde julho de 2016, diversas atividades já ocorreram por meio do movimento Praça Lilás. Houve rodas de conversa sobre saúde, direitos e relação de trabalho das mulheres, exposições com artistas locais e oficinas de origami, crochê, fotografia, desenho e caricaturas. Todos os encontros são organizados de forma voluntária e pautados pelo princípio da autogestão, em que cada cidadão ou coletivo participa contribuindo com ideias, experiências, habilidades, escuta e acolhimento.

A programação não é fixa e é sempre pensada de acordo com as demandas e interesses das pessoas. “A Praça Lilás é mobilizada por vários grupos de mulheres de Blumenau, que participam das discussões para a criação do Conselho Municipal de Mulheres de Blumenau, estendendo-se a todas os cidadãos que queiram utilizar e ser felizes na cidade, a qualquer hora do dia, com qualquer pessoa, com qualquer roupa. Vamos juntxs!”, diz o texto da página no Facebook.

A atuação política do movimento Praça Lilás

Em setembro do ano passado, pouco antes das eleições municipais, o movimento lançou o seu Manifesto Lilás, um documento que foi construído coletivamente com o propósito de reunir as pautas de interesse das mulheres de Blumenau e apontar as principais reivindicações. “A luta primordial por direitos e oportunidades é transversal e constante”, afirmaram em texto no Facebook.

Entre as demandas em destaque estão a maior participação da mulher nas discussões que envolvem os espaços públicos da cidade. A ideia sugerida por elas é que se criem condições para que isso aconteça, isto é, facilitando os horários e realizando os encontros em locais descentralizados, além de disponibilizar o espaço para que as crianças possam acompanhar as mães.

Dentro dessa mesma categoria também há a demanda por maior segurança das mulheres na cidade, o que inclui espaço para acolhimento e apoio às mulheres vítimas de violência. Já existe uma Delegacia da Mulher em Blumenau, mas o atendimento, segundo o movimento Praça Lilás, está aquém das expectativas. “A equipe é reduzida e sem formação especializada, muitas vezes nos culpam pela agressão. A estrutura física é precária, não há um sistema integrado com locais de atendimento à saúde da mulher abusada/violentada (seja ela física ou emocional)”, diz o documento. Há também o pedido “por uma Oktoberfest sem machismo: não somos atração turística”, que critica principalmente as propagandas que associam as mulheres à diversão e ao álcool.

O movimento Praça Lilás age localmente para construir novos parâmetros a fim de alcançar a igualdade de gênero. Blumenau, aos poucos, vai se tornando uma cidade mais humana porque está resgatando os valores femininos tão caros a toda a população.