01 de setembro 2017

Emoções masculinas

Emocoes masculinas
01 setembro 2017

Emoções masculinas

Homens se reúnem em grupos para discutir e entender o Sagrado Masculino
Texto por: Livia Deodato

Tanto o feminino quanto o masculino estão dentro de homens e mulheres. O que acontece, geralmente, é a falta de equilíbrio entre essas duas energias. “A energia feminina é de cuidado, acolhimento, empatia, sensibilidade, intuição. E a energia masculina é da ação, proatividade, materialização, força”, diz o escritor e terapeuta Gustavo Tanaka. “Mas a gente não recebeu nenhum tipo de iniciação para lidar com essas energias. O masculino é distorcido e se revela no machismo. Muitas vezes o homem nega sua energia feminina pois acha que isso vai comprometer sua sexualidade.”
Para buscar o equilíbrio entre essas duas forças motoras, há um número crescente de rodas e encontros de homens e mulheres, denominados Sagrado Masculino e Sagrado Feminino, respectivamente.
Foram as mulheres que deram início a esse resgate de valores femininos, na tentativa de reequilibrar as demandas da vida contemporânea. No entanto, homens estão seguindo o mesmo caminho e têm buscado cada vez mais espaços onde se sintam seguros para tratar sobre temas sensíveis, sem serem julgados por isso. Grupos de pais, que se fazem mais presentes na criação dos filhos e na divisão das tarefas domésticas, têm se espalhado pelo Brasil e pelo mundo. E encontros que reúnem apenas homens também.
Gustavo Tanaka lidera um desses grupos.“Neste grupo estão só homens, para criar o espaço de confiança onde possam se expressar. Esse lugar não existe, os homens não têm espaço para falar. Nos grupos de WhatsApp é só pornografia, bebida, balada, futebol... não tem espaço para vulnerabilidade. Queremos ressignificar essas questões e entender qual é nosso papel aqui”, diz. “O cara que é mais homem não é aquele que consegue ser mais forte. É o cara que consegue integrar e manipular as energias de forma sadia.”

Comunhão com o feminino

Entrar em conexão com o que se sente e poder demonstrar isso não é uma prática muito comum no universo masculino. Isso é muito bem apresentado no documentário “The Mask You Live In”, disponível na Netflix. Em contrapartida, a força física, o sucesso financeiro e o desempenho sexual são supervalorizados entre os homens. Trabalhar as emoções na fase adulta são importantes, mas, mais do que isso, é preciso não cometer os mesmos erros com as crianças e jovens do sexo masculino.
A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie fala sobre a importância de uma educação igualitária entre os gêneros no livro “Como Educar Crianças Feministas”. Ela alerta sobre a diferença entre os brinquedos ditos “de menino” e os “de menina”: enquanto os de menino são ativos e voltados para a ação, como carros e trens, os de menina são passivos, sendo a imensa maioria bonecas. “Eu não tinha percebido ainda como a sociedade começa tão cedo a inventar a ideia do que deve ser um menino e do que deve ser uma menina. Eu gostaria que os brinquedos fossem divididos por tipo, não por gênero”, escreve.
De maneira geral, a sociedade contemporânea vive o masculino de forma agressiva e impositiva. E o Sagrado Masculino traz uma compreensão diferente do que é ser homem. “Está mais do que na hora de a gente ter um olhar diferente para esse masculino, que pode ser aquele que protege, que usa sua força para construir, que usa a sua potência para realmente crescer e realizar”, diz a terapeuta e naturóloga Divya Prem. Um masculino em comunhão com o feminino. “Nem o feminino nem o masculino devem estar acima nem abaixo: o importante é o equilíbrio. Dessa forma, você tem a perfeita criação.”