03 de janeiro 2018

Claudio Zopone

Claudio Zopone
03 janeiro 2018

Claudio Zopone

Empresário Claudio Zapone construiu com recursos próprios um complexo desportivo que atende quase 4.000 mil crianças e jovens de Bauru
Texto por: Aretha Yarak

Quando criou a Associação Bauruense de Desportos Aquáticos (ABDA), em 2010, o empresário Claudio Zopone buscava solidariedade. “Eu e meu irmão já éramos bastante colaborativos. Mas fazíamos caridade, que é uma ajuda muito importante, porém com uma ação mais pontual. Queríamos mais do que isso”, relembra. A ideia era ambiciosa: oferecer uma estrutura e uma rede de apoio que permitisse à criança e sua família voltar a sonhar com um futuro melhor. O caminho escolhido para isso foi o esporte. “Treinar para competições ensina disciplina, desenvolve a autoconfiança, coloca desafios e mostra para a criança que ela é capaz”, explica Cláudio. Sete anos depois, a empreitada se consolidou como um verdadeiro sucesso. Atualmente, a ABDA mantém quase 4.000 alunos - a maior parte de famílias de baixa renda - e colocou Bauru no mapa mundial dos esportes aquáticos.

A história de Cláudio com causas sociais, no entanto, começou bem antes da criação da ABDA. Desde 2006, ele e o irmão Junior colaboram com creches e instituições para idosos. Em 2015, abriram uma creche própria, que atende cerca de 60 crianças. Atualmente, eles auxiliam 11 entidades, todas selecionadas nas mesmas cidades em que a empresa que preside, a Zopone Engenharia e Comércio Ltda., mantém escritórios. “Viemos de uma origem simples e fomos abençoados, temos que retribuir. Nossa missão é resgatar o sonho de todas essas crianças”, comenta.

Claudio Zopone e a criação da ABDA

A ABDA foi fundada com base em três pilares: educação, esporte e respeito. Os treinos acontecem nas modalidades natação, polo aquático, atletismo e música. Apesar de colecionar troféus e medalhas, com participações de atletas de alto rendimento em campeonatos mundiais e pan-americanos, os resultados não são exatamente a prioridade da instituição. “O esporte competitivo é uma ferramenta para trazer a criança para o nosso lado, e, assim, conseguir formar e dar uma concepção diferente de futuro para ela”, comenta. E Cláudio coleciona números de sucesso nessa empreitada: atualmente, mais da metade dos jovens que treinam na ABDA  são provenientes de famílias com renda média mensal de R$ 1.500. “Nosso propósito é mudar a vida dessa criança, que além do esporte, ela seja uma boa aluna, boa filha, uma boa cidadã”.

Embora não consiga estar presente diariamente nos centros de treinamento, o empresário não se distancia da rotina de cada um dos jovens, que “ama de paixão”. Para se manter por dentro de tudo, ele realiza duas videoconferências diárias e circula pelos espaços aos sábados e domingos. “A ABDA é amor, não é um trabalho”, explica. É dessa maneira que Cláudio sabe quem são os alunos que estão faltando, quem tem problemas na escola, quais as notas de cada aluno, quais as condições das refeições e do transporte e quem precisa de auxílios para conseguir ir treinar - todos os jovens que têm baixa renda recebem alimentação e transporte. Algumas famílias recebem ainda cesta básica todos os meses. “Precisa ser dedicado, trabalho umas 14 horas por dia, mas é apaixonante quando consigo ir nos dias de treino das crianças”, comenta.

Atualmente, Claudio se enche de orgulho ao falar dos vinte alunos que estão na faculdade graças às bolsas de estudos oferecidas pela ABDA. “Damos bolsas para os alunos que se destacam. Teremos engenheiros formados em breve, crianças que não tinham sonho antes da ABDA e agora têm a oportunidade de ter um diploma”, comenta. Além das bolsas de graduação, outros 55 jovens têm o benefício para cursar os ensinos fundamental e médio.

Com mais de 6.600 metros quadrados, o complexo esportivo da Arena ABDA conta com piscinas olímpicas, arquibancadas, academia, ambulatório, sala de estudos, centro de fisioterapia, entre outros. No projeto criado por Claudio Zopone e seu irmão, o objetivo é oferecer a melhor infraestrutura para o treino, mas também ser um local apto a receber competições de nível internacional. Para isso, desembolsam cerca de R$ 450 mil todos os meses - o valor inclui bolsas de estudos e os gastos com as viagens e competições. “Temos sempre que pensar no bem maior, que são as crianças. Tudo é feito para elas e por elas, nada é para nós”, comenta.

Prêmios e competições da ABDA

A dedicação de Cláudio criou não só um ambiente receptivo e com clima familiar, onde os alunos se sentem seguros (não há relatos graves de criminalidade), acolhidos e encorajados a sonhar e a seguir esses sonhos. Mas também formou uma equipe de atletas de ponta, responsável por colocar a cidade de Bauru de volta no mapa mundial dos esportes aquáticos.

Em julho, as equipes masculina e feminina foram vice-campeãs no Pan-Americano Juvenil de Polo Aquático, disputado em Lima (Peru). No mesmo período aconteceu o Festival Internacional Habawaba, em Lignano Sabbiadoro, na Itália. A ABDA ficou entre as três melhores equipes do mundo na competição, feito inédito para o clube. No final do ano passado, o time adulto masculino de polo aquático foi vice-campeão da 1ª Liga Sul-Americana de Clubes, realizada no Rio de Janeiro.

Além dos troféus e medalhas que os atletas trazem para casa, a estrutura montada por Claudio também vem servindo como incubadora de grandes talentos do esporte aquático nacional. Este ano, quatro foram convocados para integrar a equipe adulta da Seleção Brasileira para o Mundial dos Esportes Aquáticos, em Budapeste (Hungria). Outros doze foram chamados pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) para compor as seleções brasileiras masculina e feminina que disputaram o Campeonato Sul-Americano sub-18, no Peru.

No ano passado, a Arena ABDA recebeu o jogo amistoso de polo aquático entre Brasil e Hungria, num preparativo para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. No segundo semestre de 2016, o complexo abrigou ainda a seleção feminina argentina, em um intercâmbio pensado para fortalecer a modalidade na região do estado de São Paulo.

Claudio e a ABDA apostam em atletismo e música

Ao lado dos esportes aquáticos, está o atletismo da ABDA. A modalidade também reúne e forma atletas de ponta, com participações em campeonatos internacionais, como o Grande Prêmio Sul-Americano Darwin Piñeyrúa, no Uruguai. Em junho, a Seleção Brasileira de Atletismo levou o ouro no revezamento 4x100m no Campeonato Sul-Americano sub-20. A equipe era composta por um atleta descoberto e formado pela ABDA. O atletismo do projeto bauruense coleciona ainda medalhas em diversos campeonatos nacionais, como Troféu Brasil, Jogos Escolares da Juventude, Estadual sub-18, Campeonato Brasileiro sub-20 de atletismo, Copa do Brasil - marcha atlética.

A última investida de Claudio é a música. Com o projeto Pró-Música, o objetivo é promover a iniciação musical às crianças e aos adolescentes com idade entre 6 e 13 anos de Bauru e região com o intuito de formar uma orquestra filarmônica e um coral. As aulas estão sendo ministradas na Associação Desportiva da Polícia Militar (ADPM), com instrumentos da ABDA e com o apoio da regente Hilda Campos. “Não existe dinheiro que pague a possibilidade de resgatar o sonho de uma criança e vendo sorriso em seu rosto”, empolga-se Claudio.