14 de julho 2017

Arrumação mágica

Arrumacao magica
14 julho 2017

Arrumação mágica

Consultora japonesa garante em livro que uma casa organizada transforma a vida
Texto por: Livia Deodato

Você já deve ter ouvido aquela máxima que diz que ter a casa organizada é o mesmo que colocar a vida no devido prumo. A consultora japonesa Marie Kondo bateu recorde de vendas com seu livro “A Mágica da Arrumação”, que já apareceu em primeiro lugar na lista do “New York Times” e contabiliza mais de 5 milhões de exemplares vendidos. Tamanho sucesso tem sua razão de ser: centenas de leitores já colocaram em prática as ações que ela sugere no livro e afirmam que funcionam mesmo.

Separamos cinco dicas valiosas que Marie Kondo dá no livro para você já começar a organizar sua casa, seu escritório, sua vida. O Método KonMari sugere que, primeiramente, você descarte coisas para, em seguida, organizar o ambiente inteiro, de uma só vez. Só assim, você evitará que a desordem volte a se instalar. “Uma reformulação drástica na casa provoca mudanças igualmente drásticas em seu estilo de vida. É transformador”, afirma.

Mandamentos de Marie Kondo

1. Arrume direito e de uma só vez

Você já deve ter passado pela experiência de ter se dedicado a arrumar um cômodo de sua casa com muito esmero e, depois de alguns dias, ter visto ele voltar à bagunça que era antes. Muitos acreditam que isso não pode ser evitado. Mas Marie Kondo garante que há uma saída: basta usar a estratégia correta. E no que ela consiste? Desapegue das coisas que não usa mais, guarde somente aquilo que faz realmente diferença na sua vida e dê um novo sentido para o lugar que cada objeto ocupa em seu espaço. “Livrar-se de toda bagunça quando iniciar a maratona de arrumação é vital para evitar o efeito rebote”, afirma. Efeito rebote é justamente aquele que sempre traz o que é indesejado mais uma vez. Entregue-se por inteiro à organização. O velho ditado “nunca deixe para amanhã o que você pode fazer hoje” faz mais do que sentido aqui.

2. Escolha o que fica e o que vai embora

A melhor maneira de fazer essa triagem, segundo experiências da própria Marie Kondo, é se perguntar: “isto me traz alegria?” Se a resposta for sim, guarde o objeto. Se for não, descarte-o. “Este não é só o critério mais simples como também o mais preciso”, garante ela. “Não vejo sentido em organizar se não for para que o ambiente e as coisas dentro dele nos tragam felicidade.” Isso vale para roupas, acessórios, móveis e até mesmo livros. Se uma biblioteca cheia de obras que nunca leu traz felicidade para você, mantenha-a. Se ela só o deixa ansioso por saber que os dias estão passando e você nunca vai conseguir dar conta da leitura de tudo, doe seus livros para a biblioteca mais próxima (e leia-os um a um, quando tiver tempo para isso).

3. Arrume por categoria

Junte absolutamente tudo o que for da mesma categoria. Não deixe passar nada despercebido. “Reunir todos os itens num só lugar é essencial para o processo, pois lhe dará uma visão precisa da quantidade de coisas que possui”, diz. Ao colocar tudo junto, você poderá comparar os itens semelhantes, facilitando a decisão de quais manter.

4. Escolha bem o começo

Não comece a arrumação pelas fotos ou lembranças que trazem apego emocional. Deixe tudo isso para a última etapa. A melhor sequência para começar a organização, que invariavelmente leva ao descarte, é: roupas, livros, papelada, itens variados e, por fim, itens de apego emocional, incluindo presentes e lembranças. “Seguir essa ordem aprimora nossa intuição sobre o que nos traz alegria.”

5. Siga sua intuição

Marie Kondo leva a intuição a sério. “No meu método de organização, os sentimentos são o parâmetro para a tomada de decisões.” O ato de selecionar objetos é muito pessoal –  e é justamente por isso que é tão importante identificar como você se sente em relação a cada objeto que tem. Vale lembrar que “jogar algo fora não é abrir mão das experiências vividas ou de sua identidade”. Acredite sempre no que o seu coração diz toda vez que fizer a pergunta: “isto me traz alegria?”.